segunda-feira, 16 de abril de 2012

Um combate histórico - Segunda Parte


Dário José

No primeiro post sob este tema, falamos sobre a renhida luta entre a “antiga serpente” e os filhos de Deus, desde o Éden até os nossos dias. Para combater a mentira, só com a Verdade (João 8.44; 14.6; 17.17; II Coríntios 13.8).

Todos têm o direito de escolher a religião que quiser. A tolerância religiosa é extensiva a todos. Isso não significa, porém que todas as religiões sejam boas. Jesus deixou claro que não aceitava a ideia de que todos os caminhos levam a Deus. Ele ensinou que há apenas dois caminhos: o estreito, que conduz à vida eterna, e o largo e espaçoso, que leva à destruição (Mateus 7.13,14). Ele mesmo se colocou como o Caminho (João 14.6; Hebreus 10.20). 

Alguns dizem: "Não devemos falar contra outras religiões. Fomos chamados para pregar o evangelho". Os que assim dizem, em parte estão certos, mas a Bíblia nos conclama não só para pregar o evangelho (Marcos 16.15), como também para defendê-lo (Filipenses 1.15-17; II Timóteo 4.1,2). 
   
Pregar o evangelho é estar pronto para responder aos questionadores  

“Antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós,

“Fazendo-o, todavia, com mansidão e temor, com boa consciência, de modo que, naquilo em que falam contra vós outros, fiquem envergonhados os que difamam o vosso bom procedimento em Cristo..." 
                                                                                                            I Pedro 3.15,16 (ARA)

Defender o evangelho é batalhar pela fé

“Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos”
                                                                                                           Judas 3 (ARA)
A Batalha Espiritual

Deus nos veste de salvação (Lc 15.22; Ap 3.5,18;19.8). Mas, cabe a cada um de nós nos apropriarmos e nos revestirmos da Armadura de Deus para o verdadeiro combate cristão (Rm 13.14; Ef 6.10; I Ts 5.8).

A Armadura de Deus consiste das seguintes peças (Efésios 6.10-18):
 
1 – Capacete da salvação (para proteção da mente);
2 – Oração no Espírito (para a manutenção da intimidade com Deus);
3 - Couraça da justiça
(para a proteção da alma);
4 - Cinto da verdade
(para andar em sinceridade);
5 – Escudo da fé
(para defesa dos dardos do maligno);
6 - Espada do Espírito
(para ofender o reino das trevas com a prática da Palavra);
7 – Sandálias do Evangelho
(para caminhar segundo os ensinos de Cristo).


 



Sola Scriptura!

Um comentário:

  1. amado pastor Dario estou amando os comentarios e o ilusinado Demencio. pr isaac o vivo

    ResponderExcluir