quinta-feira, 14 de junho de 2012

A Globo aposta mais uma vez na sensualidade



Dário José

O texto da jornalista Patrícia Villalba, na cobertura da festa promovida pela Rede Globo num restaurante à beira-mar em Salvador (BA), para a apresentação das primeiras cenas da nova novela das 23h, na noite de segunda-feira, 11/06, à imprensa e convidados, começa com a seguinte frase: “Nudez e sensualidade dão o tom do remake (refilmagem) de 'Gabriela' no horário das 23h da Globo”.

A protagonista será a atriz Juliana Paes (quando a primeira versão foi ao ar em 1975, o papel de Gabriela coube à atriz Sônia Braga). “A novela das onze é mais safadinha, né?”, disse Juliana Paes em tom de brincadeira, diante de cenas em que aparece seminua.  A novela é baseada na obra do escritor Jorge Amado, cujo centenário é homenageado com a nova adaptação do romance para a TV, e, tem como autor Walcyr Carrasco. Clique aqui e veja a reportagem.


Diante do que lemos na imprensa, podemos ponderar sobre duas palavras: “sensualidade” e “safadinha”, em relação à nova versão da novela. A primeira dita pela jornalista, a segunda pela atriz Juliana Paes. 

  • Sensualidade - qualidade ou estado de sensual; lubricidade, volúpia; deleite produzido por coisas sensíveis ou, mais especialmente, o experimentado na satisfação dos apetites carnais; propensão para os prazeres materiais. 
  • Safadinha - deriva da palavra “safado”, que no popular, significa: desavergonhado, descarado, pornográfico, imoral; homem vil, desprezível.

Sabemos que a Rede Globo SEMPRE “produzirá” o que a grande massa quer assistir: nudez, licenciosidade, pornografia, adultério, vingança, esperteza, vilania, sexo, relação homoafetiva, violência, idolatria, ciúmes, invejas, bebedices, homicídios. Sendo mais claro, a Emissora do “Plim-plim” procura satisfazer todos os apetites carnais dos seus ávidos “consumidores”.

Para você que é cristão autêntico, simplesmente leia estes textos bíblicos que “pregam” contra a “sensualidade”, “safadeza” e outros pecados condenados por Deus: Oseias 4.10,11, 12,18; Romanos 1.27; Colossenses 2.23;3.5; Ezequiel 16.15,36; II Coríntios 12.21; Gálatas 5.19-21;  I Tessalonicenses 4.3,5; Mateus 5.28; Judas 7; I Coríntios 6.9,10; Hebreus 13.4. 

A música “Modinha para Gabriela” (abaixo), de autoria do baiano Dorival Caymmi, cantada por Gal Costa, já aponta o total descompromisso que "essa personagem" tem em relação aos valores éticos (e bíblicos). Ela vive o exacerbado relativismo que permeia a sociedade hodierna.

Modinha para Gabriela

Dorival Caymmi

 

Quando eu vim pra esse mundo,
Eu não atinava em nada.
Hoje eu sou Gabriela,
Gabriela, He! Meus camaradas!

Eu nasci assim, eu cresci assim,
Eu sou mesmo assim,
Vou ser sempre assim...
Gabriela, sempre Gabriela!

Quem me batizou, quem me iluminou,
Pouco me importou, e assim que eu sou...
Gabriela, sempre Gabriela!
Eu sou sempre igual, não desejo mal,
Amo o natural, etecetera e tal...
Gabriela, sempre Gabriela!

Sola Scripturas!

Nenhum comentário:

Postar um comentário