quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

A síndrome dos números



Dário José

A matemática é uma ciência exata. Mas alguns, por soberba ou e insensibilidade se esquecem disso, e em suas atitudes patológicas, no afã de querer “provar” e “ganhar” alguma coisa, maquia os números na somatória de tudo o que administra, faz e possui.


Deus é radicalmente contra isso! Mas como Ele não altera o livre arbítrio do ser humano, surge a cada dia pessoas "infectadas" com a “síndrome dos números”. 

Longe de ser alguém que goste de numerologia cabalística, quem sofre desse “mal” se realiza em exibir seu potencial, suas conquistas, suas performances, seus atributos. Outros, querendo galgar poder político, religioso e ministerial, também se apropriam dos números para manipular a grande massa de incautos.


O símbolo de mais (+) estará sempre presente, implícita ou explicitamente, nas palavras, frases e discursos de quem desenvolveu essa “doença”, pois inflaciona tudo que fala. Alguns exemplos abaixo revelam um pouco disso. Se houver semelhanças, será mera coincidência.


“Não é querendo me gabar, mas preguei ontem para MAIS de 2 mil pessoas. MAIS de cem pessoas foram batizados com Espírito Santo, MAIS de cem curados, MAIS de cem renovadas...”


“Quando assumi esse campo, havia menos de cem crentes, mas hoje pela ‘graça de Deus’, soma-se MAIS de 3 mil membros, fora os congregados...”


“Este ano eu ‘pedi a Deus’ MAIS de 200 novas conversões. E eu sei que ‘Ele’ vai cumprir isso. E o ‘Tomé’ que não acreditar vai ter que se calar...”


“Quero levantar uma oferta para a construção do templo. O Senhor me falou nessa madrugada que todos ‘devem’ contribuir e NÃO pode ser MENOS de 100 reais...”


O rei Davi, fruto da escolha direta de Deus (I Samuel 16), homem segundo coração de Deus (Atos 13.22), foi o segundo rei do reino unido de Israel. Ele reinou de 1010 a 970 a.C. Tomou Jerusalém e a tornou a capital religiosa do reino. Levou a arca para lá (II Sm 6) e organizou os serviços de adoração (I Crônicas 15-16). Ampliou o reino (II Samuel 8;10;12) e ajuntou materiais para a construção do TEMPLO (I Crônicas 22). Foi governador, guerreiro, músico e poeta. E foi um dos antepassados de Jesus (Mateus  1.1). 


Davi, um líder com toda essa “credencial”, quis um dia, por vontade própria, contar o povo. Não era a vontade de Deus que fizesse isso e ele foi tentado pelo Diabo, pois havia sido “infectado” pela “síndrome dos números”.  

Pelo seu arrependimento houve a intervenção divina, e o monarca por pouco não viu esse mal se alastrar no seu interior. Mas houve drástica conseqüência provando que Deus é radicalmente contra qualquer pensamento, ato e postura de um líder que queira loucamente “tentar” provar pelos “números” suas aptidões, suas estratégias, seu know-how, sua sabedoria (I Samuel 24.1-25;I Crônicas 21.1-27).


Tudo que acontecer de favorável na liderança de alguém, nunca resultará da força e sabedoria humana. Todo mérito, louvor, glória pertencem exclusivamente a Deus (I Coríntios 3.1-9,18-21).

Nenhum comentário:

Postar um comentário