quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

A árvore



Dário José 

Era apenas uma pequena semente, 
Que num solo simples foi plantada. 
Brotou e cresceu naturalmente!
Por sua singeleza, nem era notada.


Mesmo oriunda de um broto pequeno, 
Suas raízes e caule tiveram aumento.
Por ter “nascido” num fértil terreno,
Impossível foi deter seu incremento.


De uma planta sem nenhuma significação, 
Passou a exteriorizar uma rara beleza.
De frágil, tornou-se caule de expressão,
Exprimindo valor dentro da verde natureza.


Mas essa árvore começou a se orgulhar, 
Em empáfia “cresceu” além da sua altura.
Seu “autoconceito” passou a aumentar,
Perdendo-se na ufania da sua loucura.


Essa árvore agora se esquecendo do Criador, 
Escapa-lhe da memória quem lhe fez brotar.
Não lembrando mais do seu Fiel Cultivador,
Por ser frondosa e grande passa a se estribar.


Quem dependia da sua sombra ficará descoberto, 
Quem do seu fruto comia sofrerá de inanição,
Quem se aninhava nos seus galhos ficará sem “teto”,
Quem só nela se apoiava, tombará com ela ao chão.


Certamente essa árvore do seu orgulho morrerá, 
Sendo ferida por lâmina fria de rijo machado.
Se não se arrepender em tempo, ruína sofrerá,
Pois o dia da sua grande queda já está marcado.







Um comentário:

  1. Ezequiel 17.24 nos diz: "Assim saberão todas as árvores do campo que eu, o Senhor, abati a árvore alta, elevei a árvore baixa, sequei a árvore verde, e fiz reverdecer a árvore seca; eu, o Senhor, o disse, e o fiz".

    É bom sempre meditar na Palavra de Deus.

    Que o Senhor Jesus nos ajude para que saibamos nos conduzir, pois o que se exalta será humilhado.

    Pr. Isaac Luiz

    ResponderExcluir