segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

As três vias das relações interpessoais


Ilustração: W.H. Marcetson
Dário José

Relações interpessoais são todos os contatos mantidos entre pessoas. As relações interpessoais ocorrem nos âmbitos familiar, educacional, social, institucional e profissional. Se as relações interpessoais são boas e saudáveis, resultarão em harmonia, paz, avanço, progressos, etc. Mas, havendo incompatibilidade, atritos, conflitos, o resultado final será estagnação, agressão ou alienação.


Nas relações interpessoais são evidenciadas as maneiras e os modos como tratamos todos os indivíduos a nossa volta. Imaginemos que toda a nossa vida transcorra numa ESTRADA e as demais pessoas que percorram essa mesma ESTRADA serão alvos do nosso tratamento. Ora, só há três maneiras de lidarmos com os “companheiros de viagem” e “transeuntes” dessa ESTRADA: pela via acidental, pela via marginal ou pela via direta.


Você se lembra do bom samaritano? Bem, Jesus dialogando com certo intérprete da lei, quando de maneira capciosa fora indagado acerca da vida eterna, conta-lhe uma parábola mostrando o valor do amor ao próximo e de como a prática ou não desse amor é identificada nos tratamentos que dispensamos às pessoas na ESTRADA da vida (Lucas 10.25-37). Vamos às "Vias":


Via Acidental. É o tratamento casual, fortuito, imprevisto, pois não é essencial nem é importante. O “sacerdote” (o líder da intermediação entre Deus e o homem e do sacrifício), que descia para Jericó “casualmente”, no grego, traduz-se “por acaso, acidentalmente”, não deu nenhuma importância ao seu próximo caído e ferido. Os escrúpulos religiosos e o egoísmo exacerbado o impedia de fazer o bem (Lucas 10.30,31).


Via Marginal. Como o vocábulo já expressa, esse é o tratamento feito à margem. É anormal e divergente. O “levita” (o líder da liturgia, dos cânticos e dos diversos serviços do tabernáculo e/ou do templo), no seu encontro “acidental” com o seu próximo espancado, em atitude semelhante a do sacerdote, também passou de largo (Lucas 10.32).


Via Direta. É o tratamento direito, franco, claro, sem rodeios e subterfúgios. É o relacionamento da empatia, da autoidentificação com o próximo. É olhar nos olhos, é o face a face. Essa foi a maneira de agir do terceiro personagem da parábolade Jesus:

“Certo samaritano, que seguia o seu caminho” também se encontrou com o moribundo. No grego, “certo” é o mesmo que “alguém, uma certa pessoa”, sem se revelar títulos, históricos, performances, atribuições. Esse “certo alguém” se aproximou do semimorto, o observou minuciosamente e teve compaixão dele (Lucas 10.33). E o que ele fez mais? Leia o restante do texto e confira (Lucas 10.34-36).


Jesus finaliza seu ensino dizendo ao intérprete da lei: “Vai e procede tu de igual modo” (Lucas 10.37).


Qual desses três tratamentos dispensamos às pessoas que estão próximas de nós na nossa ESTRADA da vida?

Um comentário:

  1. Prezado Pr. Dário, de repente, o que importava para o levita/sacerdote era o serviço. Estavam tão focados que não podiam ajudar. Que Deus nos faça compreender essa dinâmica.

    ResponderExcluir