quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Bento XVI volta a ser Joseph Ratzinger



Dário José

Daqui a algumas horas, Bento XVI voltará a se chamar Joseph Alois Ratzinger, seu nome de nascimento. O 265º Papa se tornará o primeiro Papa Emérito da Igreja Católica Apostólica Romanana na Era Moderna. Hoje é dia do seu último ato público. Nesta quinta-feira (28), às 20h (16h, horário de Brasília), Bento XVI devolverá o cargo de Sumo Pontífice à  Igreja.

Fico pensando na declaração do Senhor Jesus, quando estava em Cesareia de Filipe, num  momento de  intimidade com seus apóstolos, em resposta a confissão de Pedro: “Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.” (Mateus 16.18 ARA). 

Com certeza Ele não estava falando de uma igreja institucionalizada, riquíssima em bens, eivada de dogmas, cheias de ícones, com catalogação e codificação de pecados, elencada de mediadores humanos, abarrotada de encíclicas e bulas papais, com penitências e indulgências. 

Ele declarou que a sua Igreja não seria uma mera organização, mas um Organismo Vivo. Essa Igreja empreenderia uma grande batalha espiritual durante a sua estadia na terra defendendo a Sã Doutrina, não fomentando batalhas (guerras) humanas, visando bens, territórios e poder temporal, e,  defendendo apenas as tradições.

Jesus conclui sua fala dizendo a Pedro: “Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus.” (Mateus 16.19 ARA).

O que vemos aqui não é a concessão e exacerbação de poder nas mãos de  alguns privilegiados em uma organização, mas pleno exercício da autoridade espiritual, através do seu Corpo, a Igreja, da qual Ele é Cabeça (Efésios 4.15; 5.23; Colossenses 1.18).

É perigosíssimo querer institucionalizar o que Deus estabeleceu como obra espiritual, e espiritualizar o que Ele simplesmente qualifica de obra humana.

Um comentário:

  1. Muito bom! Pena que tudo isto se estende a outros seguimentos religiosos. E até em nosso meio cristão. Estão manipulando a fé de muitos e vendendo o que receberam de graça. Igrejas de lideranças neo pentencostais.Uma vergonha! O papa foi digno na sua decisão. parabéns Pr. Dario pela sua colocação.

    ResponderExcluir