segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Pode um pastor ser rico?




Dário José

Na madrugada desta segunda-feira (04), foi ao ar pelo SBT, a entrevista concedida pelo Pr. Silas Malafaia (Líder da Assembleia de Deus - Vitória em Cristo), à jornalista Marília Gabriela, no programa “De Frente Com Gabi”. Na entrevista, o Pr. Silas não se esquivou de nenhuma polêmica, principalmente a reportagem da Revista Forbes, de que ele seria o terceiro pastor mais rico do Brasil, com um patrimônio de US$ 150 milhões. O pastor rebateu a reportagem da revista americana com a mesma veemência que combateu a prática homossexual. Este é o “estilo malafaia”, que é tido por muitos como polêmico, por outros como o autêntico representante do povo evangélico no Brasil.

Veja algumas de suas frases na entrevista:

Eu não acredito que dois homens e duas mulheres tenham a capacidade de criar um ser humano.
 
Se tiver pastor homossexual, ele perde o cargo.

Safado, bandido e caluniador têm em todo lugar. 

As ofertas que eu recebo, não são só de pessoas da minha igreja.
 
Meu patrimônio é de R$ 4 milhões, R$ 2 milhões são da minha editora (Central Gospel).
 
Há 25 anos eu não tenho salário de pastor.
 
Nos últimos cinco anos eu vendi mais de um milhão de livros por ano.
 
Não tem dados que declarem que eu tenho R$ 300 milhões de reais.
 
Deus trabalha com uma lei de recompensa.
 

Mas tudo isso traz à tona a velha pergunta: Um pastor pode ser rico?

Há pastores que vivem bem financeiramente, devido o espólio deixado pela família. Há outros que trabalharam paralelamente ao exercício pastoral, como profissionais. E o que eles  têm hoje como histórico de acúmulo de bens, nada tem a ver com a , leite, queijo ou carne das ovelhas. Há também pastores que são assalariados (mantidos) pelas suas  igrejas,  e vivem honesta e dignamente se gastando em prol da Obra do Mestre.


Mas há pastores que nada tinham antes das lides pastorais, mas com passar do tempo (às vezes, pouquíssimo tempo), seus bens se acumulam, seu patrimônio se avoluma, suas benesses se multiplicam. A soma dos seus bens não coaduna com valor dos seus proventos.



Sim, o pastor pode ser rico, desde que suas riquezas não venha:


  • Do desvio das contribuições dos fieis, pois isso o faria um “mercenário”, alguém que “não poupa as ovelhas” (João 10.1,8,10,12,13; Atos 20.29);

  • Da obtenção de recursos financeiros provenientes de “alianças” e “conchavos” políticos, pois isso o faria  “um dono e manipulador  de ovelhas” (II Pedro 5.1-4);

  • Do recebimento de salários de ”cargos fantasmas”, pois isso o faria “ um mau  exemplo às ovelhas” (I Timóteo 4.12; II Timóteo 1.13; Tito 2.7,8).



As riquezas podem prejudicar um pastor, dependendo do seu caráter. Se seus bens foram adquiridos de maneira honesta e ele é um fiel mordomo de Deus na administração de tudo o que possui, o dinheiro não vai ser um problema para sua vida nem para o seu ministério. 

Porém, se o pastor é susceptível à ganância e à avareza, estará inclinado:



  • A valorizar o dinheiro mais do que a Deus, como fez Jovem Rico (Marcos 10.17-22);

  • Servir e amar as riquezas (Mamon) e não a Deus (Mateus 6.26);

  • Achar que o dinheiro compra tudo, até os dons (Atos 8.18-23).



Em minha opinião, o pastor não deve ser um mendigo que sobreviva de migalhas, pois isso entristecerá as ovelhas. Tampouco, deverá ser um milionário ostentador, pois sua exuberância fatalmente agredirá o rebanho. Concluo com as palavras do apóstolo Paulo:



"Devem ser considerados merecedores de dobrados honorários os presbíteros que presidem bem, com especialidade os que se afadigam na palavra e no ensino. Pois a Escritura declara: Não amordaces o boi, quando pisa o trigo.  E ainda: O trabalhador é digno do seu salário".                                                                             

 I Timóteo 5.17,18 (ARA – grifos nossos).


Um comentário:

  1. A Paz do Senhor estimado pastor, parabéns pelas colocações corajosas de quem busca a transparência.
    Se muitos desses refletissem com temor, ao nosso Deus, mudaria o seu conceito de cristão e agiria com mais honestidade. É preciso vasculhar o universo evangélico, para saber quais deles não tem amor as riquezas. A Palavra de Deus não condena ter, mas condena o amor ao que busca, de maneira insensata ter mais e acumular. Muitos estão acumulando e não desperta que muitos assim fizeram e perderam tudo gastando nas doenças da idade. Deus te abençoe mais e mais. Pr. José Santana

    ResponderExcluir