segunda-feira, 8 de abril de 2013

Reflexões...


Dário José

Às vezes, me encontro pensando e a celeridade dos meus pensamentos não acompanha a lentidão dos ponteiros do meu relógio. Vejo o que a falta de conhecimento do genuíno Evangelho de Cristo faz com as pessoas. Uns por simplicidade, alguns por engano e outros por mediocridade pensam, falam e agem em volta do que não sabem. Há utópicos, há filósofos e há fanáticos. Falta-lhes a luz do Evangelho, a Verdade (II Coríntios 4.4; João 3.19-20).

Rede Globo

Penso em gente querendo que a Rede Globo, que é uma TV comercial, mesmo estando num país laico, seja uma regida por princípios puramente cristãos. A realidade é que a Rede Globo, mesmo com festival “Promessas” e com a série “Sagrado”, em nada é laica ao começar sua programação dominical com “Santa Missa em seu lar”, sendo capitaneada por ninguém menos que o padre católico Marcelo Rossi. Em suas novelas e séries haverá sempre espaços para o sincretismo religioso dos cultos de raízes africanas, do catolicismo, do espiritismo, do budismo, hinduísmo, etc. Quando, de vez em quando aparecem personagens “evangélicos”, são apenas caricaturas ou imitações jocosas do que se pensam equivocadamente sobre os verdadeiros cristãos. A união homoafetiva é largamente defendida pela “Vênus Platinada”, pois nela seus artistas com toda sua verve, têm vez e voz para defender as “cores vivas” do seu “arco-íris”.

Deputado Pastor Marcos Feliciano

Penso em gente querendo que o pastor e deputado Marcos Feliciano, que hoje preside (aos trancos e barrancos) a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara de Deputados, seja o paladino da verdade e da justiça, quando esquece que ele tão ser humano quanto o seu antagonista em Brasília, o deputado Jean Wyllys. Quanto pastor, Feliciano faz sofríveis interpretações teológicas de textos bíblicos. Em muitos casos, suas interpretações são mais eisegéticas (onde se busca encaixar os próprios pensamentos no texto bíblico) do que exegéticas (onde a passagem bíblica é interpretada à luz do próprio texto sagrado). Quanto deputado federal, Feliciano de fato não representa o povo evangélico, mas o seu eleitorado. Toda a problemática envolvendo o seu nome e o movimento gay não é um problema eclesiástico (da Igreja), mas é um problema político.

Papa Francisco

Penso em gente desejando que o sumo pontífice de Roma, venha mudar os rumos da igreja. É bom lembrar que a “igreja” aqui é a Católica Apostólica Romana. Não obstante o Papa lutar contra a união homofativa, lutar contra o aborto e lutar contra a educação pública laica, ele continua sendo o representante da igreja que ainda precisa (re)pensar em mudanças como: abandonar os sete livros apócrifos e manter apenas as Escrituras Sagradas (Lucas 24.44), abandonar as orações repetitivas, ou seja, as rezas (Mateus 6.7), abandonar a mediação de “outros” entre Deus e os homens e reconhecer só Jesus como Mediador  e o foco da fé(I Timóteo 2.5; Hebreus 12.2), abandonar qualquer “crença” de uma “segunda chance após a morte”, pois a salvação é por graça (Lucas 23.43; Atos 15.11).

Sem ser fatalista, mas apenas realista, concluo dizendo que o “mundo” caminha para o caos. Mas a Igreja caminha para a Glória reservada (I Coríntios 2.9).  Os que são ovelhas do bom Pastor e conhece sua voz, o segue confiante quanto ao futuro (João 10.11,14).

Um comentário:

  1. É muito verdadeiro tudo isto...
    Se vivermos o mundo sem pensar nestas e em outras questões da vida que nos passam à nossa frente, o que estamos fazendo nesta terra? pois, o pensar deve ser seguido pelo agir, e agir de maneira a se incomodar a pelo menos orar por questões como estas...
    Lembrando que tudo isto são prenúncios da volta de Jesus... Amém por isso!
    Devemos ao mesmo tempo em que olhamos para Cristo também não nos conformemos com este mundo que jaz no maligno.

    II Timóteo 3.1 "Lembre-se disto: nos últimos dias haverá tempos difíceis."

    Que Deus abençoe a nossa geração e livre a geração vindoura.

    Mais uma vez, querido Pastor Dário José, parabéns pela postagem.

    ResponderExcluir