segunda-feira, 13 de maio de 2013

A falsidade me enoja!



Dário José


Pessoas que agem com falsidade, são de grande periculosidade. Mesmo não gostando de uma pessoa e fazendo de tudo para prejudicá-la, quando a vê, principalmente na companhia de outros, abre um “farto” sorriso, aperta mão e até abraça. O pensador Augusto Branco traduz bem essas atitudes, quando diz: 


“Tratar bem a um desafeto não é ser superior nem educado: Isto é ser falso. E a falsidade me enoja. Prefiro um desafeto que me acerte um soco do que um desafeto que me oferece um sorriso: o primeiro é uma pessoa com convicções, o segundo é uma pessoa perigosa."


Quando o Senhor nos diz que devemos amar a todos sem distinção, não está insinuando que sejamos falsos. Porque o hipócrita finge "amar". Amar é também suportar as falsidades  sem revidá-las.


Quem age com falsidade é hipócrita, e o hipócrita é um “ator”, pois aparenta compartilhar ideias, crenças, sentimentos, virtudes, que na verdade não as possui nem as simpatizam. A falsidade e o fingimento de comportamentos fazem parte do universo dos que vivem na hipocrisia. E isso não é simplesmente uma representação temporária, como fazem os atores e artistas de teatro, TV, cinema, mas é o modus vivendi do hipócrita.


O hipócrita chega ao extremo de criticar os atos de alguém, quando ele na verdade pratica as mesmas ações. O hipócrita demonstra ser amigo de pessoas eminentes, quando o seu interesse maior é ficar “bem na fita”. Até “encena” livrar alguém em dificuldades, mas não  eliminar suas reais dificuldades; se “mostra” solidário com o sofrimento alheio, mas é apenas “marketing pessoal”. 


Consegue chorar e ri quando necessário. Destila piedade quando fala e é lisonjeiro no tratar com àqueles que lhe são “úteis”. Concebe a si mesmo o único possuidor da “extraordinária capacidade de não pecar”.


A hipocrisia é duramente rejeitada na Palavra de Deus (Mateus 23.13-15, 23, 25,27-29; Lucas 21.1; Romanos 12.9; I Timóteo 1.5; I Pedro 2.1).


Alguém diz: “Conheci fulano e pensei uma coisa dele, mas agora me decepcionei. Ele mudou...” As pessoas não mudam ao longo do tempo. Na realidade, tais pessoas revelam com o tempo, exatamente o que de fato são por dentro.


A hipocrisia difere da mentira. O mentiroso falsifica as palavras, o hipócrita falsifica as atitudes.


É difícil, mas temos que conviver com hipócritas. Sua falsidade é fétida e enoja, mas nada que um “lenço” no “nariz” não resolva!

4 comentários: