sexta-feira, 31 de maio de 2013

Apenas 4 minutos da sua atenção!

Dário José

Se os primeiros segundos não te prender, não assista o resto do vídeo. 

Vinda de Cristo com Morte e Ressurreição, e a nossa Salvação, em apenas 4 minutos.  No vídeo denominado Falling Plates (Pratos Caindo), as imagens e a mensagem são de uma clareza estupenda sobre o grande Plano de Deus para resgatar a humanidade caída!

O vídeo foi produzido pela organização cristã interdenominacional CRU (Campus Crusade For Christ), que tem como objetivo levar pessoas a conhecer a Jesus!


terça-feira, 21 de maio de 2013

Lealdade!



Dário José


Antônima e oposta à hipocrisia é a lealdade,
Pois o leal é digno, honesto, franco e sincero...
Não é uma palavra que apenas rima com fidelidade,
Mas que sem ela, simplesmente não seria lealdade!


Quer entender o que é fidelidade, observe um cão:
Em todas as circunstâncias, não abandona seu dono...
Permanece ao seu lado na alegria ou na solidão!
Oh! Precisamos de aulas de sinceridade com um mero cão!


Nas nossas relações interpessoais, somamos defeitos:
Aflora em nós egoísmo, falta de empatia, desumanização...
Buscamos pessoas detentoras de “currículos” perfeitos,
Para só sermos “leais” aos que “não possuem” defeitos.


A vida parece desleal? Mesmo assim não te furtes da lealdade!
Ande na contramão dos indignos, desonestos e infiéis...
Escreva a sua história percebendo suas limitações e incapacidades,
Não obstante a “conspiração” do mal pratique sempre a lealdade!

segunda-feira, 13 de maio de 2013

A falsidade me enoja!



Dário José


Pessoas que agem com falsidade, são de grande periculosidade. Mesmo não gostando de uma pessoa e fazendo de tudo para prejudicá-la, quando a vê, principalmente na companhia de outros, abre um “farto” sorriso, aperta mão e até abraça. O pensador Augusto Branco traduz bem essas atitudes, quando diz: 


“Tratar bem a um desafeto não é ser superior nem educado: Isto é ser falso. E a falsidade me enoja. Prefiro um desafeto que me acerte um soco do que um desafeto que me oferece um sorriso: o primeiro é uma pessoa com convicções, o segundo é uma pessoa perigosa."


Quando o Senhor nos diz que devemos amar a todos sem distinção, não está insinuando que sejamos falsos. Porque o hipócrita finge "amar". Amar é também suportar as falsidades  sem revidá-las.


Quem age com falsidade é hipócrita, e o hipócrita é um “ator”, pois aparenta compartilhar ideias, crenças, sentimentos, virtudes, que na verdade não as possui nem as simpatizam. A falsidade e o fingimento de comportamentos fazem parte do universo dos que vivem na hipocrisia. E isso não é simplesmente uma representação temporária, como fazem os atores e artistas de teatro, TV, cinema, mas é o modus vivendi do hipócrita.


O hipócrita chega ao extremo de criticar os atos de alguém, quando ele na verdade pratica as mesmas ações. O hipócrita demonstra ser amigo de pessoas eminentes, quando o seu interesse maior é ficar “bem na fita”. Até “encena” livrar alguém em dificuldades, mas não  eliminar suas reais dificuldades; se “mostra” solidário com o sofrimento alheio, mas é apenas “marketing pessoal”. 


Consegue chorar e ri quando necessário. Destila piedade quando fala e é lisonjeiro no tratar com àqueles que lhe são “úteis”. Concebe a si mesmo o único possuidor da “extraordinária capacidade de não pecar”.


A hipocrisia é duramente rejeitada na Palavra de Deus (Mateus 23.13-15, 23, 25,27-29; Lucas 21.1; Romanos 12.9; I Timóteo 1.5; I Pedro 2.1).


Alguém diz: “Conheci fulano e pensei uma coisa dele, mas agora me decepcionei. Ele mudou...” As pessoas não mudam ao longo do tempo. Na realidade, tais pessoas revelam com o tempo, exatamente o que de fato são por dentro.


A hipocrisia difere da mentira. O mentiroso falsifica as palavras, o hipócrita falsifica as atitudes.


É difícil, mas temos que conviver com hipócritas. Sua falsidade é fétida e enoja, mas nada que um “lenço” no “nariz” não resolva!

domingo, 12 de maio de 2013

Ser mãe: ofício e sacerdócio!






Dário José

Há 73 dias passados, eu perdi a presença física da minha mãe, Anelcina Rodrigues de Souza! Mas, hoje homenageio e parabenizo todas as mães pelo seu dia, inclusive a minha esposa, Magda, que é a mãe do nosso casal de filhos! 

Para refletirmos, republico um texto  (já postado neste Blog), para repensarmos o valor de uma mãe.

Carta enviada de uma mãe para outra mãe em São Paulo, após noticiário na TV:

“DE MÃE PARA MÃE


“Vi seu enérgico protesto diante das câmeras de televisão, contra a transferência do seu filho, menor infrator, das dependências da FEBEM, em São Paulo, para outra dependência da FEBEM, no interior do Estado.


“Vi você se queixando da distância que agora a separa do seu filho, das dificuldades e das despesas que passou a ter para visitá-lo, bem como de outros inconvenientes, decorrentes daquela transferência.


“Vi também toda a cobertura que a mídia deu para o fato, assim como vi que não só você, mas igualmente outras mães na mesma situação que você, contam com o apoio de Comissões Pastorais, Órgãos e Entidades de Defesa de Direitos Humanos, ONGs, etc.


“Eu também sou mãe e, assim, bem posso compreender seu protesto. Quero com ele fazer coro. Enorme é a distância que me separa do meu filho.


“Trabalhando e ganhando pouco, idênticas são as dificuldades e as despesas que tenho para visitá-lo. Com muito sacrifício, só posso fazê-lo aos domingos, porque labuto, inclusive aos sábados, para auxiliar no sustento e educação do resto da família... Felizmente conto com o meu inseparável companheiro, que desempenha para mim importante papel de amigo e conselheiro espiritual.


“Se você ainda não sabe, sou a mãe daquele jovem que o seu filho matou estupidamente num assalto a uma vídeolocadora, onde meu filho trabalhava, durante o dia, para pagar os estudos à noite. No próximo domingo, quando você estiver abraçando, beijando e fazendo carícias no seu filho, eu estarei visitando o meu e depositando flores no seu humilde túmulo, num cemitério da periferia de São Paulo...


“Ah! Ia me esquecendo, e também ganhando pouco e sustentando a casa, pode ficar tranquila, viu, que eu estarei pagando de novo, o colchão que seu querido filho queimou lá na última rebelião da Febem.


“Nem no cemitério, nem na minha casa, NUNCA apareceu nenhum representante destas ‘Entidades’ que tanto lhe confortam, para me dar uma palavra de conforto, e talvez me indicar: 'Os meus direitos’!


“Se concordar, circule este manifesto! Talvez a gente consiga acabar com esta inversão de valores que assola o Brasil.


“DIREITOS HUMANOS SÃO PARA HUMANOS DIREITOS!”

Fonte: Internet

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Os insensíveis buscam os insensatos!



Dário José

A insensibilidade se manifesta visivelmente a todos. Sua ação sempre causa mal estar. Mas o que é insensibilidade? É ser privado de sensibilidade, ser apático, ser indiferente, ser duro. A insensibilidade gera parvoíces. 

O insensato é alguém desprovido do senso e da razão, pessoa tola, que o que lhe falta em inteligência, sobra em idiotice.

Quando pessoas executam erradamente certas tarefas, em alguma área (quer na vida secular quer na vida eclesiástica), eis as perguntas que se ouve comumente: “Quem colocou fulano para fazer isso?”, “Houve a orientação de Deus na indicação de sicrano para exercer tal atividade?”, “Por que será que beltrano, mesmo sem nenhuma capacidade, lidera tal departamento?”. 

Alguém só assume alguma posição de liderança ou executa algum trabalho quando indicado e referendado pelo seu superior.  Se erros e desacertos são cometidos, a culpa é de quem indicou e colocou o tal em evidência, pois há uma máxima que diz: “Não se pode reclamar do que se consente”. 

Veja o que a Bíblia diz sobre o erro de honrar o insensato:

"Como a neve no verão e como a chuva na ceifa,  assim, a honra não convém ao insensato". Provérbios 26.1

"Como o que atira pedra preciosa num montão de ruínas,  assim é o que dá honra ao insensato". Provérbios 26.8

É perigosíssimo honrar a quem Deus despreza e desprezar a quem Ele honra  (I Samuel 15.30,31,34,35; 16.6,7,11-13).

Na realidade ambos são insensíveis. É insensível quem indica alguém indevidamente para o exercício de algum cargo, sem fazer caso do paradigma divino de escolha (I Timóteo 3.1-13; 5.17,18 22). E, é insensível também quem, não tendo consciência da própria incapacidade, diz “sim” sem pestanejar, quando convocado para fazer o que não faz parte da sua chamada (Provérbios 14.8,16,33).

“A insensibilidade cega os corações dos homens fazendo-os caminhar para o abismo sem que eles o percebam...” Paulo Cuba

Insistir em manter um neófito, que não foi chamado por Deus, no “lugar” de quem de fato  foi escolhido pelo Senhor, só porque é seu pupilo,  é perigoso! Numa linguagem popular, é o mesmo que “dar um tiro no próprio pé” e conforme a Bíblia é o mesmo que “recalcitrar” (dar coices contra a ponta do ferrão), ou seja, confrontar e resistir os propósitos de Deus.

“Os lábios do justo apascentam a muitos, mas, por falta de senso, morrem os tolos” (Provérbios 10.21).

“Nas palavras do sábio há favor, mas ao tolo os seus lábios devoram” (Eclesiastes 10.12).

Onde há procura, há ofertas. De um lado temos os insensíveis à soberana vontade Deus, buscando os insensatos, pois através deles desenvolverá seus “sórdidos planos”. Do outro lado, os insensatos buscam agradar servilmente os seus líderes insensíveis, pois através deles galgará status e elevadas posições, mesmo que não tenha dom, chamada, talento ou vocação. O fim de ambos fica por conta da imaginação de cada um.

Oh! Deus tenha misericórdia de nós!

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Unidos venceremos! Mas separados?



Dário José

União é ato ou efeito de unir. União é ajuntamento, reunião, justaposição, ligação, junção, emenda. Também pode ser: ponto de contato, adesão, harmonia, concórdia; paz, comunhão, intimidade, consórcio. O oposto da união é desunião que implica na ação ou efeito de desunir; divisão, separação. Também visto como desavença, discordância, rixa.

Há quem pareça estar unido, mas na essência está em gradativo processo de separação. Há certa teatralização quando dizem “Estamos juntos!”, há demagogia quando vociferam “Conte conosco”, há mentiras quando abraçam e sussurram ao ouvido “Amigos somos!”.

A união na Bíblia é algo positivo, salutar, recomendável, construtivo e aprovável diante de Deus:

“Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos!” (Salmos 133.1);

“Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum” (Atos 2.44);

“Rogo-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que faleis todos a mesma coisa e que não haja entre vós divisões; antes, sejais inteiramente unidos, na mesma disposição mental e no mesmo parecer” (I Coríntios 1.10);

“completai a minha alegria, de modo que penseis a mesma coisa, tenhais o mesmo amor, sejais unidos de alma, tendo o mesmo sentimento” (Filipenses 2.2).

A falta de união, por sua vez, é reprovada pelas Escrituras Sagradas:

“Andarão dois juntos, se não houver entre eles acordo?” (Amós 3.3);

Rogo a Evódia e rogo a Síntique pensem concordemente, no Senhor” (Filipenses 4.2);

A desunião é fruto de corações carnais (Gálatas 5,19-21), que gera cobiça, mortes, inveja, etc. (Tiago 4.1-3).

Mas se houver união, haverá resistência contra o mal (Eclesiastes 4.9-12). Veja o que Tiago nos diz em sua carta (4.7): “Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (grifo nosso). Estamos unidos ou desunidos? Estamos perdendo ou ganhando as batalhas?