quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Se nossa vida espiritual sofrer um apagão?




Dário José

Dar-se o nome de “apagão” para a interrupção temporária do fornecimento de energia elétrica, que pode ocorrer simultaneamente em várias cidades do país. 

Um apagão de energia atingiu os Estados do Nordeste na tarde de ontem, quarta-feira (28), entre às 14h58 e às 15h04. Foi causado por queimadas em duas linhas de transmissão operadas por grupos privadas no Piauí.

Os transtornos, contratempos, dificuldades, contrariedades, prejuízos, desarranjos ainda estão sendo contabilizados.

Apagão é corte ou colapso. É também chamado de blecaute, do inglês blackout, que se traduz melhor por ocultamento, cegueira temporária, escurecimento completo.

Diante do ocorrido, fico pensando nas vidas que estão em apagões espirituais, quando deveriam brilhar. Por viverem em trevas, provocam caos e tragédias àqueles que precisam de luz (Mateus 5.14-16; João 8.12; 9.5; Efésios 5.1,8-13; I Tessalonicenses 5.5; I João 1.5,7; 2.9,10).

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Vivendo no luxo, mas produzindo lixo


Dário José

A sociedade hodierna em que vivemos é marcada ferrenhamente, entre tantas outras coisas, pelo consumismo e o exibicionismo. O lixo de uma pessoa diz “muito” sobre o que ela “coloca para dentro”.  E o luxo? Ah! O luxo reflete o que ela “coloca para fora”. 

Explicando melhor: os resíduos e detritos “jogados no lixo” é o que consumimos, já a ostentação e a pompa “expostas no luxo” é o que postulamos.  Somos muito mais que gestos, palavras, estética e trejeitos. Na realidade o que somos é o que alojamos no nosso interior. Tanto na execração do lixo como na ostentação de luxo, o que se revela externamente é o que está dentro do nosso coração, da nossa alma (Mateus 15.17-19; Jeremias 17.9-11). A nossa alma pode estar sã ou doente.

Luxo e Lixo


Emprego as palavras luxo e lixo com a seguinte significação: Luxo - qualquer coisa dispendiosa ou de difícil obtenção, que agrada aos sentidos sem ser uma necessidade. Tudo o que é supérfluo. Lixo - restos de cozinha e refugos de toda espécie, como latas vazias e embalagens de mantimentos, que ocorrem em uma casa.  Imundície, sujidade, escória, ralé.

Geralmente quem vive em função do “luxo”, só tem “lixo” para passar. Tudo é visto como descartável (menos o seu luxo). Descartar é livrar-se de pessoas ou coisas desagradáveis ou incômodas. 

Se alguém de valor requer a sua atenção (mas que nada acrescenta ao seu luxo), é sumariamente “descartado”: “Não tenho tempo... Tô apressado... Depois eu vejo isso...” Mas, se outro (mesmo sendo bandido), traz incrementos à sua luxuosa vida, disponibilizará o tempo que for necessário. 

Luxar e lixar


Luxar pode ser sinônimo de ter para se exibir e para mostrar poderio, força, status, proeminência. Quem assim é e age, é oco de valores éticos, morais e espirituais. A somatória do que essa pessoa faz, fala e pensa é simplesmente lixo! Quem é afeito ao luxo é luxento, gente cheia de melindres, cerimônias ou exigências.

Lixar pode ser verbo (transitivo direto), significando desgastar, raspar ou polir com lixa. Na frase "estou pouco me lixando”, a palavra (verbo intransitivo), tem o sentido de gíria, significando indignar-se, amolar-se, sofrer contratempo.  Mas lixar também significa fazer lixo.


Uma alma sadia não produz lixo, pois é isenta de luxo. Uma alma doente, afogada no luxo é pior que um lixão.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Tempo é dinheiro ou templo atrai dinheiro?



Dário José


Confusões na Liderança Eclesiástica – 1ª Parte 

Não confunda: “Tempo é dinheiro” com “templo atrai dinheiro”. Essa primeira frase é bem conhecida de todos, principalmente no “mundo dos negócios”. Quando se perde tempo, em investimentos e transações comerciais, perdem-se recursos financeiros, acarretando sérios prejuízos. 

O trocadilho “tempo” por “templo” é proposital, pois na “visão” de certos líderes religiosos da atualidade (certos pastores, bispos, apóstolos, ungidos, profetas, etc.), quanto mais templos abrir (funcionar), mais renda se terá. Tais líderes, se parecem mais com gestores, empresários, promoters do que com pastores de almas. Estes não “montam” templos para cuidarem de ovelhas, mas para pescarem em “aquários alheios” (Romanos 15.20,21). Na realidade são mercenários que apascentam a si mesmos (João 10.1, 10-13; I Pedro 5.1-4; Atos 20.28-30; Judas 12).

Quanto ao tempo? Deve-se “gastá-lo” com critérios, inteligência e cuidado (Eclesiastes 3.1-8; 9.7-10; Efésios 5.16,18). Na visão de Deus, tempo não é dinheiro, mas oportunidade (Hebreus 6.7-9)!