terça-feira, 14 de julho de 2015

Voltemos, depressa, ao evangelho de Cristo!

Dário José

De quem é o evangelho? É de Deus, pois é gerado dEle (Romanos 1.1; I Tessalonicenses 2.2,9); é de Cristo, pois é o conteúdo do seus ensinos (Marcos 1.1,14; Romanos 1.16; 15.19); é da graça, porque provém do amor de Deus (Atos 20.24); é da promessa pois é baseado no plano eterno de Deus anunciado pelos seus profetas (Atos 13.32); é da salvação, pois transforma vidas (Efésios 1.13); é da paz, porque gera gozo e alegria (Efésios 6.15); é glorioso, pois resplandece a luz de Deus (II Coríntios 4.4); é do Reino, porque revela o domínio de Deus sobre todas as coisas (Mateus 4.23; 24.14); é eterno, pois  foi planejado antes de tudo existir (Apocalipse 14.6,7).

Para quê o evangelho existe? Para ser crido (Marcos 1.15); para ser amado e priorizado antes de qualquer outra coisa (Marcos 10.29,30); para ser pregado (anunciado) em todo o mundo (Marcos 16.15).

O que é pregar o evangelho? É cumprir o ide de Jesus ressurreto, que antes de ascender aos Céus, incumbiu aos seus discípulos à transmissão de todos os seus ensinamentos doutrinários às gerações futuras (Mateus 28.18-20; Marcos 16.14-20; Lucas 24.44-49; Atos 1.8). A pregação do evangelho só é eficaz quando se vive o que se prega e se prega o que se vivencia (Atos 20.17-27; Filipenses 1.27,28; I Coríntios 10.31-33). Quem prega o evangelho tem que, no seu pensar, falar e agir, se parecer com Jesus (Filipenses 1.17; 2.5-16; I João 2.5,6; I Pedro 3.13-17).

Para o verdadeiro cristão viver ou não viver o evangelho é simplesmente uma questão de vida ou morte:

Sem o evangelho queremos ser vistos e aceitos a qualquer preço; com o evangelho até nossa ausência provoca saudades.

Sem o evangelho tateamos na escuridão tentando acertar; com o evangelho discernimos bem tudo sob a luz dos ensinos de Cristo.

Sem o evangelho nosso “eu” procura desesperadamente um trono; com o evangelho Cristo reina e domina o nosso espírito.

Sem o evangelho queremos palcos e aplausos; com o evangelho somos expostos à “arena” de ferozes leões.

Sem o evangelho almejamos obter status para sermos alguma coisa; com o evangelho perdemos a nossa vida para sermos o que Deus planejou para nós.

Sem o evangelho fazemos qualquer “negócio” para obter o poder que impõe obediência; com o evangelho o poder de Deus nos instrumentaliza a exercermos autoridade como servos.

Sem o evangelho buscamos impressionar todas as pessoas; com o evangelho expressamos em tudo a Pessoa de Jesus Cristo.

Sem o evangelho o que nos ofusca é o brilho da coroa; com o evangelho o que nos impacta é a cruz.

Sem o evangelho somos meras criaturas cheias de pecados; com o evangelho o Espírito de Deus nos torna nova criação.

Sem o evangelho nos cobrimos com as apodrecidas vestes da autojustiça; com o evangelho somos vestidos da justiça de Cristo.

Sem o evangelho tudo que falamos não passa de blá, blá, blá; com o evangelho até o nosso silêncio torna-se um portentoso sermão.

Sem o evangelho todos os meios são justificáveis na obtenção dos fins; com o evangelho só há um Meio para um Fim: Jesus Cristo!

Encarnar o evangelho é praticar os ensinos de Jesus, ou seja, “guardar todas as coisas” que Ele no cumprimento do seu ministério terreno viveu, ensinou e ordenou aos seus seguidores  em todos os lugares e em todas as épocas (Mateus 28.18-20). Se cumpro (pratico) sua Palavra, tenho vida nEle (João 6.63)! Para cumpri-la integralmente tenho que crer em Deus e no seu Filho Jesus (João 3.15-17).

Se não cumpro os ensinos de Jesus é porque provavelmente estou apenas olhando, ouvindo e até entendendo, mas não praticando (Tiago 1.21-25). Saber e não praticar é como não acreditar. É viver como morto e potencialmente condenado (João 15.18-21)! É perigoso recebermos a mensagem do evangelho, cumpri-la por certo tempo e depois abandoná-la. É como pensar que estamos vivos, quando na realidade já morremos (Apocalipse 3.1)!

Mas há, ainda, oportunidade de arrependimento hoje (Apocalipse 2.4,5, 14-16, 20; 3.2,3 15-20). Rejeitemos o outro evangelho - adulterado, diferente e estranho (II Coríntios 11.4; Gálatas 1.7,8; Apocalipse 22.18,19). É o evangelho das obras (sem a graça), é o evangelho da prosperidade (sem a cruz), é o evangelho performático (sem o poder do Espírito Santo).

Voltemos ao verdadeiro e único evangelho, o evangelho do Senhor Jesus! Esse evangelho tem todo o poder (Mateus 28.18), é para todas as pessoas (Mateus 28.19), contém todo o conselho doutrinário de Deus (Mateus 28.20), tem toda a supervisão do Senhor Jesus (Mateus 28.20). Aleluia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário