quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Em meio à crise, vale a pena confiar em Deus?

Dário José

O livro do profeta Habacuque se parece mais com um diário de alguém que vive uma crise existencial e teológica, em meio à uma crise social, política, moral e religiosa. Seu livro difere dos outros escritos proféticos. Habacuque “tenta” dialogar filosoficamente com Deus em torno da sua justiça.

O profeta Habacuque e a crise

Seu livro se encontra entre os profetas menores (os 12 livros que vai de Oseias a Malaquias). Habacuque foi mais um porta voz de Deus levantado para profetizar em tempo de crise. O pano de fundo histórico do seu livro o coloca no tempo em que reinava Jeoaquim (614 a. C a 604 a. C., também chamado de Eliaquim e que foi 17º rei de Judá; reinou por 11 anos).

Deus em silêncio

No início da narrativa do seu livro, Habacuque fica meio desorientado. Parecia que Deus estava apático e inativo diante da crise e do sofrimento dos justos sob as ações de corruptos. O que  era revelado ao profeta era muito “pesado ao seu coração”, levando-o ousadamente a indagar: “Até quando, Senhor, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! e não salvarás?” (Habacuque 1.1,2).

A causa da crise

O reinado de Jeoaquim foi marcado pela injustiça social crescente e pela violência. Tais fatores geraram crise e decadência à nação de Israel: apostasia na fé, idolatria, vícios, imoralidade, falta de equidade na aplicação das leis, frouxidão da justiça e ilegalidade.  Toda nação de Israel foi afetada espiritual, moral e socialmente (Habacuque 1.3,4).

Lideranças descomprometidas com a moralidade e a ética mexem com a espiritualidade do povo; dificuldades econômicas mexem com a estrutura financeira da nação; egocentrismo exacerbado mexe com o estado psicossomático das pessoas gerando carências afetivas e relacionais... Crises geram crises, que por sua vez, geram indagações, amargura, dores e perdas...

Deus responde

Vale a pena, em meio à crise, ter fé e confiar Deus? Habacuque, que havia questionado o silêncio de Deus no início do seu livro, obtém resposta a sua oração... Mas, bem diferente do que esperava, pois o Senhor fala que permitirá a invasão dos caldeus (babilônicos) para julgar o seu próprio povo (Habacuque 1.4-11).

Habacuque, mesmo reconhecendo a Soberania de Deus que pode utilizar-se do “meio” que quiser para corrigir e disciplinar o seu povo (Habacuque 1.12), ainda prossegue indagando-LHE com alguns porquês: 1) “Tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal, e a opressão não podes contemplar. Por que olhas para os que procedem aleivosamente, e te calas quando o ímpio devora aquele que é mais justo do que ele?”, 2)”E por que farias os homens como os peixes do mar, como os répteis, que não têm quem os governe?”, 3)“Porventura por isso esvaziará a sua rede e não terá piedade de matar as nações continuamente?” (Habacuque 1.13,14, 17 – grifos nosso).

Será que somos diferentes de Habacuque? Em meio às crises da vida, não nos cercamos de perguntas e questionamentos? Às vezes até nos precipitamos no falar e nos agir.

Fé – único meio de sobrevivência à crise

Vale a pena confiar em Deus! A resposta à crise é a fé. Nossa segurança não deve ser firmada nas emoções, como fazem os autoconfiantes (soberbos), mas unicamente em Deus através de uma fé viva (Habacuque 2.4).

No meio da crise, só há duas opções: desesperarmos-nos e reclamarmos de tudo e de todos ou exercitamos a fé unicamente no Deus Soberano. Devemos manter a fé nEle mesmo que se revele indiferente às nossas orações; mesmo que suas respostas não sejam as que esperamos; mesmo que se utilize de “instrumentos” estranhos para nos disciplinar; mesmo que venhamos a perder tudo.

A oração salmodiada de Habacuque

No final do livro (Habacuque 3.1-19), o profeta descreve um quadro negro de escassez. A crise afetará toda a base econômica do seu povo (Habacuque 3.17). Não obstante a revelação da visão sombria, por fé o profeta enxerga motivos de se alegrar no Senhor e exultá-LO! Por quê? Porque só em Deus há salvação (Habacuque 3.18)!

Mas, afinal de contas, o que leva o profeta a ter alegria em meio à crise? Eis a reposta: “O Senhor Deus é a minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas” (Habacuque 3.19).

A cerva (ou corça) era um animal típico da região, de faro apurado, que sentia o cheiro da grama e de água, à distância. Quando tudo estava seco, sem grama e sem água, ela captava a sua existência. Geralmente, nos lugares altos, no topo dos montes, onde o orvalho mais incidia. Com patas fortes e ágeis, ela escalava a montanha e encontrava o alimento a sua sobrevivência.

O profeta diz que Deus lhe daria “patas fortes” para escalar as “montanhas” em busca de “comida”. Faltando meios de sobreviver nas planícies, Deus capacitaria os que nEle confiassem a escalar montanhas e encontrar subsistência lá em cima.

Lições aprendidas com o profeta Habacuque

Deus não isenta ou poupa ninguém de contrariedades ou crises. Sofrimentos, momentos críticos, privações quando vem não poupa fiéis ou infiéis. Quem disse que confiar no Senhor nos blinda e nos imuniza de quaisquer sofrimentos? (Habacuque 3.17).

Numa crise, só os fiéis conseguem adorar a Deus e entender sua didática e o seu trabalhar nas crises (Habacuque 3.18).

Só na crise é que somos fortalecidos (Habacuque 3.19). O louvor torna-se adoração; o faro (sensibilidade espiritual) torna-se apurado; as pernas (andar, postura e comportamento) são fortalecidas (maturidade).

O interessante é que “grama molhada de orvalho” já existe, mas só os que confiam no Senhor tornam-se capacitados para subir as montanhas e encontrá-las em meio à crise. Há sempre pasto úmido em cima quando a escassez nos tinge em baixo. Deus não aplainará montanhas para ninguém. Ele apenas dará “sensibilidade olfativa” e “pernas fortes” para subi-las.

É melhor esperar em Deus calado, mesmo sem nada entender, do que achar que entende tudo, mas viver murmurando. É melhor esperar em Deus adorando! Toda crise é pedagógica para os que vivem por fé!

2 comentários:

  1. Em meio a crise, é só confiar em Deus mesmo!
    http://versiculododia.com/

    ResponderExcluir
  2. A diferença do profeta Habacuque e nos hoje é que existe um intecessor Chamado Jesus Cristo que inteceda por nós é nós assiste em nossa fraqueza com seu Espírito Santo.O Autor e Consumador da fé!! Clamemos em de Jesus e Deus ouvirá.

    ResponderExcluir