terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Maquiagem

Dário José

Maquiagem...

Não falo da maquiagem estética, o make up facial
De cílios, sobrancelhas, pálpebras e contorno labial
Que atenua em alguém traços da  imagem natural

Não me refiro da maquiagem cinematográfica
E à dos ensaios ante as lentes fotográficas
Ou a dos palcos das representações dramáticas

Falo da maquiagem que falsifica o que se diz
Que busca mostrar a realidade que não condiz
Que até tenta, mas em tudo sempre se contradiz

Falo daquela tão modificadora maquiagem
Que monta um incongruente personagem
Distanciando do indivíduo, sua real imagem

Maquiam-se bons gestos com apertos de mãos
Maquiam-se palavras suavizando a elocução
Maquia-se um sorriso divorciando-o do coração

É maquiagem que esconde n’alma “hematomas”
E não evidenciam na “derme” seus reais sintomas
É “fotografia” que mostra cenas e oculta aromas!

Ah! Como esse maquiar danifica a naturalidade!
Só consegue mostrar a face das ambiguidades
Pois cara real e limpa só quem tem é a verdade!

domingo, 22 de janeiro de 2017

O valor da verdadeira amizade!

Foto: Internet
Dário José

Estive pensando recentemente sobre amizade. Divagações vieram a minha mente após reencontrarmos uma amiga que não nos víamos há vinte e seis anos.  Ela reside com sua família em São Paulo e nós em Pernambuco. Conhecemo-nos no final dos anos 80, lá na terra da garoa, eu, minha esposa, ela e seu namorado à época, hoje esposo.

Firmarmos com eles uma sólida amizade. Mas, tendo que retornar à nossa terra natal, nos separamos, e, com o passar dos anos, perdemos a comunicação. Mas cerca de seis anos atrás (2011), por meio de um telefonema e de um posterior contato através de rede social, nos reencontramos, mesmo que virtualmente.

Mas, depois de duas décadas e meia, ao reencontrá-la pessoalmente aqui em nosso Estado, entendemos que a verdadeira amizade resiste à distância e ao tempo! É isso, verdadeiros amigos passam muitos anos sem se ver, mas ao reencontrar-se, parece que foi ontem!

O nosso maior exemplo de amizade é Jesus! É Ele que dá a melhor definição de uma verdadeira amizade: "Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos. Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando. Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer" (João 15.13-15 – grifos nossos).

Jesus deu a sua vida por seus "amigos".  Qualquer um pode tornar-se Seu amigo, confiando nEle como o seu salvador pessoal, nascendo de novo e recebendo nova vida nEle.

Só os verdadeiros amigos são como irmãos (Provérbios 17.17; 18.24).

Só os verdadeiros amigos são realistas, nunca falsos (Provérbios 27.6,17).

Só numa verdadeira amizade se compartilha interesses idênticos (Amós 3.3).

Só a verdadeira amizade é sem reservas (João 15.13; Romanos 5,7,8).

Numa verdadeira amizade se compartilha confiança e respeito mútuo, dores e alegrias, perdas e vitórias, ostracismo e sucesso. 

Devemos, antes de querer ter amigos de verdade, sermos amigos verdadeiros! 

Uma amizade verdadeira é algo raro.É como um tesouro: difícil de achar, de um grande valor a se calcular e que exige enorme cuidado para se conservar. Verdadeiros amigos são presentes de Deus, são bênçãos humanas partilhadas por Ele a outros humanos.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Ser engraçado ou viver com graça?



Dário José

É “sem graça” tentarmos convencer a todos, a todo custo, que estamos sob a graça, quando a suficiência da graça divina esbarra na nossa autossuficiência.

A ausência da graça atrai desgraça. Tal perda, de quem antes desfrutava junto a Deus, é desfavor, desvalimento, revés e infelicidade.

Desgraçado é quem está sem a graça. Não se espante com a palavra desgraçado, pois desgraça é o oposto da graça.

Graça é mais que o “favor imerecido”. O significado é muito mais abrangente. Viver debaixo da graça é saber que nada do que somos, fazemos ou possuímos seria possível se não fosse a mão de Deus sobre nós assistindo-nos graciosamente.

Quando entendemos o real valor da graça não reclamamos, clamamos; não murmuramos, suspiramos; não nos revoltamos contra Deus, mas nos voltamos para Ele!

Deus não tem a obrigação de nos abençoar, mas sempre nos abençoa por sua graça! Quem realmente sabe o que é graça, mesmo quando passa por tribulações, tem condições de louvá-LO.

Na verdade viver sem a graça é andar em zonas de riscos e perigos! A graça de Deus persegue os humildes, mas desvia-se dos autossuficientes!

A graça não nos faz meramente engraçados, mas nos torna felizes! O engraçado diverte e até provoca risos, pois é espirituoso e não há nada de errado nisso. Perigoso é ser engraçado sem a graça!

E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus nos chamou à sua eterna glória, depois de havemos padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoe, confirme, fortifique e estabeleça.

A ele seja a glória e o poderio para todo o sempre. Amém. I Pedro 5.10,11